sexta-feira, 19 de março de 2010

Educação e mundo do trabalho

Antonio Gramsci foi um pensador-militante comunista italiano, que passou 8 anos encarcerado pelo fascismo e morreu aos 46 anos, em 1937. Em seus escritos, reunidos nos Cadernos do Cárcere (seis volumes), há reflexões importantes sobre a relação entre educação e trabalho. Gramsci defende o trabalho como princípio educativo, ou seja, como "elemento constitutivo da formação na medida em que possui uma dimensão teórico-prática, capaz de mediar a integração do trabalho com o momento educativo."

Gramsci

Cada vez que releio Gramsci e/ou seus estudiosos no Brasil, fico a pensar na educação de nível médio, hoje. O ensino médio é visto por muitos apenas como uma etapa a ser vencida pelos estudantes para terem acesso ao ensino superior. Tanto que muitas escolas substituíram a reflexão sobre os conteúdos ministrados nesse nível de ensino por estratégias para que o aluno enfrente os exames - antes, os vestibulares; hoje, o SISU-MEC.

Mas há grande número de pessoas que, depois de concluído o ensino médio, não vão para a universidade: algo em torno de 18 milhões de brasileiros e brasileiras. Esses vão procurar emprego, munidos apenas dos conhecimentos que obtiveram no colégio. Considere-se a precariedade de muitas escolas, que diplomam alunos com sérias deficiências de leitura, escrita e raciocínio matemático. Pense: quantas pessoas você conhece nessa situação? Quantas vezes você viu um recado mal escrito, uma lista de compras cheia de erros ortográficos, uma dificuldade com o troco por parte de um vendedor, e pensou: "nossa, nem parece que tem o segundo grau!"

Se tivessem saído do ensino médio com uma qualificação que lhes permitisse ingressar no mundo do trabalho - veja bem: eu não disse "mercado" -, esses brasileiros e brasileiras talvez pudessem dar rumo diferente a suas vidas. Algo mais que trabalhar para viver - nas sociedades capitalistas, "viver" é igual a "consumir".

Não pensem que estou propondo a volta da lei 5.672, de 1971, que fracassou na tentativa de profissionalizar o segundo grau justamente por causa de seu foco na formação estrita para o mercado de trabalho. Já naquela época era preciso pensar em uma formação que privilegiasse o trabalho como elemento estruturante da vida, naquela relação dialética entre a humanização da natureza e a "naturalização" do humano. Daí Gramsci ter pensado no trabalho como princípio educativo, princípio esse que nortearia a produção de conhecimento técnico-científico e também a interação do homem com as práticas culturais.

Trabalhei em uma instituição pública de educação tecnológica, antes e depois do desmonte da educação promovido pelos (des)governos FHC. De nada adiantaram os protestos das comunidades dessas escolas, que por força de um decreto, foram proibidas de ofertar a educação básica - ensino fundamental e médio - integrada com a educação para o trabalho. Foram anos de luta e de labuta em uma escola deliberadamente sucateada, cujos dirigentes saíam a buscar financiamento em fontes outras que não o governo federal.

Laboratórios tornavam-se obsoletos, professores aposentavam-se e não eram substituídos. Trabalhar naquela época foi muito mais um exercício de resistência e de enfrentamento da cartilha neoliberal imposta pelo governo. FHC, Paulo Renato, Bresser Pereira e grande parte daqueles que hoje se aninham no governo paulista foram os responsáveis diretos pelo enfraquecimento da educação tecnológica no Brasil, enquanto o sistema S se esbaldava com dinheiro público.

Hoje está de volta o ensino integrado e houve aumento considerável do número de escolas federais de educação tecnológica. Foi necessário que um operário sem diploma de curso superior chegasse à presidência da república para que o país passasse a valorizar a educação integrada e integral que essas escolas oferecem. Se quiser ver como foi sua expansão, clique aqui.

Mas o assunto deste post não era esse. Alonguei-me na introdução. Não faz mal: no próximo post falarei de uma escola da qual fiquei amiga e que, apesar de todas as dificuldades, caminha na direção dessa educação que se organiza em torno do trabalho como princípio educativo de que nos fala esse italiano baixinho, corcunda e genial! Aguardem...

Um comentário:

Leandro disse...

Não acho que seja somente a ruindade do ensino fundamental (principalmente) e médio e a dicotomização entre ensino "comum" e profissional promovida no período FH, precisa se verificar tambpem se os professores destas escolas federais de ensino tecnológico são suficientemente capacitados, de modo a não ser mais uma gama de instituições criadas apenas para fazer número... e quanto a questão de adolescentes egressos do ensino médio que mal sabem ler, bom, não havendo obrigatoriamente, durante os ensinos fundamental e médio um mecanismo no qual possam ser minimizadas suas defasagens de aprendizagem, pouco adianta se ter ensino, que será apenas para mais uma vez fazer número...